forum de cultura digital

EXPERIÊNCIAS DE CULTURA DIGITAL
por: Leonardo Foletto, em Programação no dia 04/11/2010

A Sala Petrobrás da Cinemateca, com capacidade para 108 pessoas, será o lugar para a apresentação de experiências em cultura digital e das pesquisas acadêmicas que recebemos na chamada pública. Como ambos, relatos de experiências e pesquisas, estão em grande número, resolvemos dividi-los por temas a fim de facilitar a organização e também a troca de ideias entre os participantes. Vale lembrar que toda a programação desta sala será transmitida ao vivo em streaming.

Segunda Feira, 15 de novembro

A programação começa às 9h com “Experiências de educação e cultura digital“, que terá as seguintes apresentações, cada uma com cerca de 10 minutos:

_ Lab Web comunicação; ligado à UFRJ, o Lab Web é um projeto coordenado pela professora Cristina Rego da Luz que visa discutir e experimentar a cultura digital na web através de conteúdos que incluem de linguagem HTML a ações Flashmob, passando pelos programas de maior circulação, games, redes sociais e indicações de como fazer projetos inovadores;
_ Centro Educacional Pioneiro, experiência que oferece atividades de educação para a internet para alunos de 3 a 10 anos de idade;
_ SELIGA: “I Semana de Literatura Infantojuvenil, Games e Artes” (SP);
_ Grupo de Estudos Educar na Cultura Digital, grupo que busca valorizar a troca e a colaboração entre os participantes e disponibilizar referências bibliográficas sobre os desafios que as inovações tecnológicas trazem para o aprendizagem na escola;
_ Projeto Folhas e o Livro Didático;

Das 10h às 11h, será a vez das “Experiências de apropriação tecnológica“, com cinco experiências:

_Historias Digitales (Uruguai): projeto de criação de um clipe audiovisual, de dois a três minutos de duração, elaborado tendo por base fotos e uma história pessoal roteirizada a partir de oficinas oferecidas aos familiares das crianças que participam do Plan Ceibal, um projeto que oferece um computador para cada criança matriculada nas escolas uruguaias;
_ “Quer que eu conte?“, projeto do Nupef (RJ) que oferece oficinas de digital storytelling para pacientes de dois hospitais psiquiátricos do Rio de Janeiro;
_ Telecentros.Br; FALTA
_ Laboratório Cultura Viva (RJ); experiência que pretende construir uma plataforma de vídeos e um programa de edição on-line para promover a produção audiovisual dos Pontos de Cultura;
_ Alagoas Colaborativo (AL),projeto de um portal turístico colaborativo dos coletivos Saudáveis Subversivos e Panan Filmes que visa estimular a cultura de colaboração e participação em meios digitais nos municípios alagoanos, incentivando a autonomia e o protagonismo social dos cidadãos e convertendo-se em benefícios para a sociedade e para o desenvolvimento local.

Das 11h às 12h30 haverá o primeiro espaço para apresentação das pesquisas acadêmicas. Cada pesquisador terá 7 minutos para expor sua pesquisa.
_ José Fornari : Interatividade Gestual Artistica (IGA)
_ Exploração do Universo Virtual e das Novas Estratégias Narrativas Abertas pelas Mídias Digitais (Cristiane Costa)
_ Marcio Gonçalves
_ Permeabilidade em Narrativas Transmídias (Vicente Gosciola)
_ O projeto Ciberintervenção urbana interativa (ciurbi) (Claudia Loch)
_ Bauhalien: O Site Experimental (Daniel Graf de Oliveira)
_ Formas e Imagens na Comunicação Contemporânea (Alfedo Suppia)
_ Videopoesia: Análise e Produção (Cardes Monção Amâncio)
_ Colarte Digital: um mapa da arte digital colaborativa (Andre Stangl)
_ Redes Sociais e Movimento Feminista: Estudo Exploratório a Partir de Comunidades do Orkut (Ronaldo Ferreira de Araujo)
_ Jornalismo e cultura digital: um estudo de caso do The Pirate Bay na Folha de S. Paulo (Eliane Fronza)
_ Ferramentas de produção colaborativa na internet aplicadas à produção cultural e Mediação cultural em blogs de cultura urbana (Marcelo Santiago)

Depois do intervalo para o almoço, 14h às 15h é o horário para duas experiências africanas de cultura digital: Kubatana.net, um site que tem vai em defesa dos direitos humanos e de informação para o povo do Zimbábue, e Voices of Kibera“, um projeto de jornalismo cidadão que usa o mapa da região de Kibera, no Quênia, para informar a população.

Das 15h às 16h30 ocorrerá o “Painel Web cidadania“, onde vão ser apresentados oito projetos que tratam de cidadania digital, sob a moderação de Daniela B.Silva, da Esfera e do Transparência HackDay;
_ Ações thackday/Quanto custa seu candidato/SAC-SP (Bruno Barreto);
_ Prestação de Contas da Câmara Municipal (Mauricio Maia);
_ Legisdados (Pedro Belasco);
_ Observatório da web das Eleições (Raquel Camargo);
_ Cidade Democrática (Rafael Bandeira);
_ Urbanias (Ricardo Joseph);
_ Webcitizen (Daniele Amaral;
_ Eleitor 2010 (Diego Casaes);

Das 16h30 às 17h30h é a vez das “Experiências audiovisuais”, que trará os projetos:
_ Prodculturalbr (SP); projeto que mapeia os produtores culturais de todo o Brasil, que tem como ponto de partida para a criação de um processo permanente de discussão e reflexão sobre cultura brasileira e sobre a complexa cadeia que está por trás de uma produção até que ela chegue ao público;
_ Mexe Mexe Tupi (Recife); é um grupo que trabalha com manipulação de vídeo-arte em tempo real mixando imagens e músicas de domínio livre em ações/intervenções artísticas ao vivo.
_ Casa Curta-se (SE), projeto do Pontão de Cultura Avenid Digital que dá visibilidade aos filmes produzidos em Sergipe, à difusão e formação audiovisual através das oficinas;

Depois do coffe-break, a próxima mesa será sobre “Digitalização de acervos“, das 18h às 19h, sob a moderação de Roberto Taddei e com os seguintes participantes:
_ Arquivo público do estado de SP;
_ IPHAN;
_ Memória das Artes, Funarte;
_ Brasiliana;

Encerrando a programação da Sala Petrobrás, das 20 às 21h ocorre a mesa sobre “Teatralidade digital”, sob a moderação de Rodolfo Araújo e com os seguintes participantes:
_ Teatro para Alguém
_ Phila 7
_ Revista Bacante;

Terça-Feira, 16 de novembro

Na terça-feira, as atividades começam as 9h com a “Mesa sobre dados abertos”, que contará com os seguinte participantes:
Daniela Silva – thackday
Vagner Diniz – w3c
Pedro Belasco – Legisdados
Thiago Ávila;

Das 10h às 11h acontecerá o relato de “Experiências de jornalismo e colaboração”, com os seguintes relatos:

_ Mapa das Artes da Cidade Tiradentes – projeto de mapeamento sociocultural colaborativo e videográfico das manifestações artístico-culturais deste bairro do extremo leste de São Paulo.
_ Webdocumentário “Filhos do Tremor” – documentário sobre as crianças no Haiti criado a partir da união de textos, sons, vídeos, infográficos e hiperlinks.
_ Global Conflicts: Checkpoint – série de jogos educacionais que permitem aos alunos explorarem e aprenderem mais sobre conflitos globais e temas como Democracia, Direitos Humanos, Globalização, Meio Ambiente e Pobreza.

Das 11h às 12h30 mais uma rodada de apresenatções de pesquisas acadêmicas com sete minutos para cada uma das oito experiências.

_ Direito Achado na Rede, Paulo Rená;
_ Políticas de Autoria: Falhas enquanto Resistência, Ana Silvia Couto de Abreu;
_ Políticas Culturais sobre Direito Autoral ou Revolução Caraíba Contemporânea, Helena Klang;
_ Sociedade Informacional: um novo paradigma sócio-cultural, Mauricio N. Santos;
_ Distúrbios da Era Informacional: conflitos entre a propriedade intelectual e a cultura livre, Luis Eduardo Tavares;
_ Ações Coletivas com Mídias Livres – interpretação de seu programa político, Luiz Carlos Pinto;
_ ContraCultura Digital, Thais Brito;
_ Video Livre no Brasil, Andressa Viana;

Após um intervalo as atividades são retomadas às 14h com a mesa “Ativismo e rede“:

_ Technology for Transparency (Renata Avila) – Projeto com colaboradores em diferentes partes do mundo que analisam e desenvolvem projetos que incentivam a transparência nos governos;_ Rising Voices (Eddie Avila) – Rede global que visa fortalecer classes menos representadas na internet;
_ Global Voices (Diego Casaes) – Rede de mais de 400 blogueiros, jornalistas e tradutores espalhados nos quatro cantos do planeta._ Walking Tools (Brett Stalbaum) – Projeto para produção de arte e tecnologia locativa que auxilia as pessoas a programar celulares e anexar imagens, áudio e vídeos em localizações geográficas.

Encerrando o dia, das 15h30 às 17h30 tem a mesa “Experiências da Amazônia” reúne os seguintes convidados:

_ Coletivo Puraqué – Coletivo amazônico ligado à cultura digital, informática na educação, metareciclagem e software livre com enfoque na temática Amazônica.
_ Saúde e Alegria – Instituição que atua em três municípios paraenses com o objetivo de promover e apoiar processos participativos de desenvolvimento comunitário integrado e sustentável.
_ Feira de Economia Solidária de Santarém – experiência de cultura digital dentro das escolas municipais de Santarém
_ Pontão de cultura digital do Tapajós – espaço de convivência e criação localizado em Santarém e apoiado pelo Ministério da Cultura para promover o intercâmbio e difusão da cultura brasileira
_ Drumbeat Amazônia – Edição promovida em Belém do Mozilla Drumbeat, uma comunidade internacional de pessoas que promovem a web aberta e livre.
_ Nos2somos – coletivo da Colômbia que constrói processos de apropriação midiática em torno dos eixos: investigação situada, análises de meio de comunicação, recuperação de histórias locais, cartografias sonoras e visuais, criação de vídeo, experimentação sonora e consolidação de Laboratórios de mídias nômades;

Quarta-feira, 17 de novembro

O último dia no espaço de experiências de cultura digital abre às 9h com “Experiências Argentinas de Cultura Digital: La Vecinda, FMp3, FM La Tribu, Fabrica de Fallas e BiblioFyl“.

Das 10 às 11h, haverá a apresentação do Cinturão Digital do Ceará, um projeto que prevê a criação de infra-estrutura própria de fibras ópticas no Ceará com o objetivo de prover acesso por banda larga nas principais cidades do Interior, com cobertura inicial de 82% da população do Estado.

Na sequência, entre as 11h e as 12h30, acontece o último espaço para exposição de pesquisas acadêmicas, no mesmo esquema das anteriores: 7 minutos para cada apresentação:

_ Open Business (Oona Castro)
_ Combate à Pirataria no Brasil (Olivia Bandeira)
_ Conhecimento e Controle na Cadeia Produtiva da Indústria Fonográfica em Período Recente (Glauber Eduardo Gonçalves)
_ Cidade do Conhecimento: Moedas Criativas (Gilson Schwartz)
_ Redes Sociais Digitais e Sustentabilidade (Massimo de Felice)
_ Audiosfera: Uma Década Hackeando a Indústria do Disco (Messias Bandeira)
_ Cultura digital – um desafio para as políticas públicas no Brasil (Taiane Fernandes)

Depois do intervalo do almoço, das 14h às 15h30, acontece a apresentação das experiências no eixo”Arte Digital. Br”;
_ Pesquisa Funarte (Thiago Carrapatoso);
_ Arte. Mov (Lucas Bambozzi);
_ Laboca (Jarbas Jácome);
_ Ressaca.net (Bruno Vianna);

Das 15h30 às 17h, é a vez da mesa de Economia Criativa, com a presença das experiências:

_Eletrocooperativa/It’s noon (Reinaldo Pamponet), instituto que nasceu em 2003, em Salvador, para contribuir na formação de jovens utilizando a linguagem audiovisual como ponto de partida, “unindo o tambor ao computador”;
_ Futuro em Cena (Eduardo Marques);
_ Projeto Estrombo (Paula Martini, Fundação Getúlio Vargas-RJ), que busca oferecer soluções, baseadas no uso das novas tecnologias, para o problema da informalidade e da desarticulação da cadeia produtiva da indústria musical, contribuindo para o desenvolvimento empresarial e econômico das iniciativas dessa indústria no Rio de Janeiro.
_ Toque no Brasil, uma plataforma de dialogo entre artistas e produtores, que visa fortalecer o laço entre os elos da cadeia de valor da música, facilitando o encontro entre quem faz música e quem faz eventos;

Encerrando o dia, das 17h às 18h é a vez das “Experiências audiovisuais”, que trará os projetos:
_ Prodculturalbr (SP); projeto que mapeia os produtores culturais de todo o Brasil, que tem como ponto de partida para a criação de um processo permanente de discussão e reflexão sobre cultura brasileira e sobre a complexa cadeia que está por trás de uma produção até que ela chegue ao público;
_ Mexe Mexe Tupi (Recife); é um grupo que trabalha com manipulação de vídeo-arte em tempo real mixando imagens e músicas de domínio livre em ações/intervenções artísticas ao vivo.
_ Casa Curta-se (SE), projeto do Pontão de Cultura Avenid Digital que dá visibilidade aos filmes produzidos em Sergipe, à difusão e formação audiovisual através das oficinas;

Tags: Alagoas Colaborativo, arte digital.br, Casa Curta-se, Centro Educacional Pioneiro, dados abertos, digitallização de acervos, eletrocooperativa, experiências, experiências argentinas de cultura digital, Futuro em Cena, Grupo de Estudos Educar na Cultura Digital, histórias digitales, Lab Web, Laboratório Cultura Viva, Mexe Mexe Tupi, produculturalbr, Projeto Estrombo, SELIGA, toque no brasil, Transparẽncia Hackday

Sobre mexemexetupi

vj/dj artista visual
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s